Gamificação: o que é?

Por Frederico Pinto, Head de Marketing na Ekoá – Jogos e Gamificação

Gamificação é uma metodologia que pode ser definida por utilizar elementos de jogos em atividades que não são jogos. Ao observarmos os jogos, verificamos a existência de diversos elementos que nos chamam atenção e cada jogador traz uma relevância diferente para cada elemento e é avaliando estas questões que conseguimos utilizar o elemento relevante para cada usuário da gamificação.

E que elementos de jogos são esses?
Existem diversos elementos em um jogo que podem ser utilizados em uma gamificação, desde narrativas lúdicas, passando por mecânicas de contagem regressiva, barras de progresso e as mais utilizadas em projetos gamificados simples: pontos, ranking e medalhas.

Gamificação: Como e onde aplicar?
A primeira coisa que precisamos entender é que a gamificação deve ser aplicada à processos existentes, ou seja, a gamificação é a transformação de um processo convencional em um gamificado. Ela não resolve os problemas de falta de processo. Por exemplo: Determinada loja não está conseguindo monitorar o seu estoque e deseja engajar o estoquista para que eles consigam ter o maior controle. Acontece que se não existe um fluxo de atividades registrando entrada e saída de material, a gamificação não vai resolver este problema.

Gamificação Ekoá
Na Ekoá nós seguimos um passo a passo para desenvolver nossos projetos de gamificação onde conseguimos identificar os gargalos juntamente com o cliente e utilizar elementos que realmente são relevantes para os colaboradores da empresa que serão usuários da gamificação.

Passo 1: Definir objetivo da Gamificação
A gamificação precisa ter um objetivo como integrar equipe, aumentar as vendas, engajar determinado setor da empresa, trazer mais leveza para o ambiente. Um projeto gamificado sem uma meta traçada é como um carro desgovernado, não é legal. Então este é o ponto de partida de um projeto gamificado.

Passo 2: Definir usuário
Agora que já temos um objetivo, devemos pensar nos usuários dessa gamificação, ela é feita para os colaboradores internos ou para o público externo? Por exemplo: A rede Pão de Açúcar realiza uma gamificação para o público externo, quando os clientes colecionam selos para completar a cartela em troca de brindes. Já a Motorola tem uma gamificação interna para aumentar o engajamento dos seus colaboradores.

Passo 3: Diagnóstico
Já sabemos quem é o usuário da nossa gamificação e o nosso próximo passo é entender esse usuário, os seus anseios, suas dores, suas aptidões. Essa fase é extremamente importante para que o projeto seja o mais adequado possível. Por exemplo: Imagina que definimos uma temática de mundo felino para a nossa gamificação, sem pesquisar os usuários, e no decorrer do processo percebemos que o modelo não está tendo o resultado esperado, ao avaliar o porquê descobrimos que mais de 50% dos usuários não gostam de gatos (como assim?), ou tem alergia, nesse caso a gamificação teria que ser totalmente remodelada ou descartada.

Para realizar esta pesquisa a Ekoá dispõe de uma ferramenta de suma importância para trazer maior precisão das informações, é o mapa de empatia.

Passo 4: Desenvolvimento
Essa a parte divertida, é nessa hora que escolhemos os elementos mais adequados para a nossa jornada gamificada. Agora que já sabemos o nosso objetivo e quem será o nosso usuário é que podemos escolher as mecânicas e dinâmicas que terão maior aderência e que realmente motivarão o participante à realizar as atividades daquele fluxo.

Nesta etapa utilizamos diversas ferramentas que nos auxiliam a estruturar o processo criativo temos o nosso canvas de gamificação e também desenvolvemos um deck de mecânicas com algumas das mecânicas possíveis para que os usuários possam utilizar nos seus próprios projetos de gamificação.

Passo 5: Validação com o cliente
Nessa fase criamos um protótipo da gamificação e apresentamos ao cliente, explicamos as nuances, os elementos utilizados, como eles funcionarão para verificar se está adequado ao que o cliente gostaria que fosse. Esta etapa é de extrema importância porque ninguém melhor que o cliente conhece a empresa dele, então esta é a hora de anotarmos os feedbacks para realizar os ajustes e enviar para a produção.

Passo 6: Produção
Aqui é a hora que produzimos todos os elementos físicos da gamificação desde de dados customizados até mesmo aplicativos mobile, plataformas web, tudo o que for necessário para a implementação da gamificação.

Passo 7: Capacitação do GM
A última e não menos importante etapa do processo de desenvolvimento é a capacitação do Game Master, a expressão vem das sessões de RPG e fazem referência à pessoa que será responsável por gerir a gamificação, verificar se ela está atingindo o resultado esperado e outras atividades que tiverem sido desenvolvidas no processo.
O GM não é usuário da gamificação, ele apenas faz a gestão do projeto para que tudo corra conforme planejado.

Conclusão
A gamificação tem eficácia comprovada estatisticamente, é o que diz uma pesquisa realizada pela Global Forbes 2000, que aponta que 70% da empresas utilizam a metodologia.

Tratamos neste artigo dos principais conceitos que envolvem a gamificação, quais os pontos de atenção e como realizamos o desenvolvimento de projeto gamificado aqui na Ekoá.

Acompanhe as nossas redes sociais para mais informações sobre gamificação e outras coisas legais que fazemos aqui.

Até a próxima!

.

OUTROS ARTIGOS.

2020-01-24T15:40:46-02:00