A experiência é ainda mais importante que o conteúdo

Por diversas vezes, vivemos momentos especiais, sem nos darmos conta, totalmente, do que isso de fato representa – ou representou. Para facilitar a sua compreensão, tente recordar-se de situações envolvendo uma memória olfativa. Pode ser aquele cheiro horroroso, que você não suporta desde criança; ou o perfume de uma pessoa amada que, só de sentir de longe, já lhe tele transporta para momentos inesquecíveis.

Na área de eventos não é diferente. Faz muito sentido, portanto, entender que, neste universo, a experiência é ainda mais relevante do que o conteúdo em si, que é transmitido. Seguindo esta linha de raciocínio, quem compreender antes este caminho sairá na frente na hora de encantar o público por meio da experiência.

Qual a relevância na experiência na gamificação

Dentro de um evento gamificado, a experiência funciona como um conjunto de comportamentos e interações entre a sua plataforma e o participante. Isso quer dizer que todos os pontos de contato do usuário com o evento fazem parte da experiência pessoal dele. E essa jornada surge nos mínimos detalhes como, por exemplo, no momento em que o usuário fica sabendo de um evento. Imagine um convite aparecendo na timeline. Não basta ser bonito e bem impulsionado. Ele convite tem que simbolizar um momento de descoberta, com um significado maior. E é essa expectativa gerada pelo convite que vai auxiliar a perdurar o significado de pertencimento do usuário até o momento que o evento termina.

A partir daí captamos a repercussão do evento e, em alguns casos, até criamos um relacionamento pós-evento. Para isso, não basta falar de emoções. É necessário ser um mobilizador de experiências. E estamos aqui para te explicar melhor como ser um estrategista, com conteúdo interessante, e munido de possibilidades capazes de proporcionar experiências de qualidade a seu público.

Primeiro, o objetivo da experiência é criar um vínculo, ou seja, a esperança é que o participante se aprofunde na jornada, a ponto de criar um elo de significância. É claro que é primordial que o conteúdo conecte-se com a experiência, como uma espécie de fio condutor, para assim, gerar um tema central, onde tanto a experiência quanto o conteúdo tenham relevância, mobilizando uma jornada que converse entre si.

Para formar esse elo, há as mecânicas de gamificação, que são utilizadas para amarrar, não só esses, mas outros fatores dos eventos. E uma das mecânicas que tem maior relevância neste contexto é a narrativa, isto é, uma história contada pelo evento, não necessariamente lúdica, que seja coerente e consistente.

Cocriação

Com isso em mente, é importante realizar um brainstorming para fechar o planejamento básico do seu evento e, a partir dessa definição, adicionar várias camadas que vão compor a experiência. Tudo isso em um processo de cocriação entre nós e seu objetivo.

Este processo segue, portanto, as seguintes etapas:

  • Preparação – Essa é a etapa de preparação de todos os elementos do projeto do curso. Nessa fase, será formado o time que vai cocriar a XP de aprendizagem, definindo os resultados empresariais específicos para o negócio e também os objetivos do curso, as metas do aprendizado, o que os participantes saberão e farão ao final do evento;
  • Encaixar o evento na preferência do usuário – Nessa etapa vamos entender quem é o cliente do evento, suas necessidades (dores, ganhos e tarefas) e entender como o curso vai resolver as essas necessidades;
  • Ações esperadas – Etapa onde nossos especialistas junto ao time da empresa vão mapear todas ações esperadas por parte dos usuários;
  • Programação – Aqui o evento vai ser estruturado em conteúdos e experiências;
  • Dinâmicas – Onde se inicia a “ludificação” do processo. Serão construídos os parâmetros norteadores: Emoção, Relacionamento entre os participantes, Progresso, Narrativa, Limitações;
  • Mecânicas – Etapa onde vamos definir as mecânicas que serão utilizadas conforme os drives motivacionais do Octalysis;
  • Componentes – Fase na qual vamos propor todos os elementos que materializam o jogo;
  • Narrativa – Nesta etapa, vamos envolver o fluxo da narrativa e as fases da gamificação;
  • Estética – Onde vamos fechar a identidade visual;
  • Balanceamento – Nesta etapa final, vamos refinar a jogabilidade e garantir que a experiência seja instigante e prazerosa.

Note que são etapas bem específicas e direcionadas para uma experiência única construída para os participantes. Mas saiba que a prática é ainda mais divertida do que a teoria explicitada aqui.

Não perca tempo e faça seu conteúdo ter mais visibilidade e sentido para o seu público. Use a nossa experiência a seu favor e transforme o seu evento num momento memorável para quem dele participar!

Produção de Conteúdo:
PROTIVA COMUNICAÇÃO
Texto: Sarah Farias
Revisão e Edição: Flávio Resende
Data: 03/11/2020

A Ekoá Jogos e Gamificação tem como propósito elevar a realidade das empresas colocando as pessoas no centro da experiência.

Criamos experiências que fundem o mundo físico e o digital de forma a promover o engajamento e atingimento de objetivos corporativos.

 

 

 

 

2020-12-15T15:10:34-03:00