Você já pensou em ser um designer de experiências?

Se não nos falha a memória, há três ou quatros anos, a sigla UX tem sido muito utilizada por nós, brasileiros. A termologia original (User Experience), traduzida para o nosso idioma, significa experiência do usuário e, por incrível que pareça, só foi utilizada pela primeira vez na década de 1990. O termo é extremamente recente, entretanto, já impacta profundamente na criação de um evento virtual.

Não consegue enxergar a relação entre as duas coisas? Então, calma! A gente explica: um ambiente digital busca oferecer um produto de qualidade para que o público possa usufruir dos elementos dispostos naquele espaço da melhor forma possível. Para isso, é fundamental ter uma pessoa capacitada para apresentar conjuntos de métodos que compreendem o comportamento do usuário durante toda a jornada de consumo.

Isso significa que este profissional terá que criar um caminho “não-único” para o participante. Para tanto, torna-se necessário pensar em ações, conexões e objetivos que tendem a ser concretizados durante um evento.

Em uma plataforma digital, quem cuida desse processo é o designer de experiências. Ele é responsável, principalmente, pela elaboração da navegação do usuário. Além disso, deve protocolar testes de usabilidade e, sem dúvidas, precisa implementar soluções inovadoras e atraentes.

A prototipação, o fluxo de processos e a criação geral da jornada também entram no escopo de trabalho deste profissional que, inclusive, garante o engajamento do público durante o evento de uma forma fluida e equilibrada.

Agora que te contextualizamos, que tal nos responder: você já pensou em trabalhar com algo tão dinâmico, animador e diferente? Se nunca passou pela sua cabeça antes, comece a reconsiderar! Essa profissão é uma das tendências para o futuro e, sem dúvidas, tem um caminho promissor pela frente.

O design de experiência é um mercado relativamente novo, que tem ganhado grande notabilidade. Além do mais, enquanto houver pessoas, haverá demanda, visto que a interação humana é o ingrediente secreto para o surgimento do trabalho. E ainda dizemos mais: toda essa profissionalização vai além dos conhecimentos em UI e UX, o que amplia ainda mais as possibilidades de incrementar esse meio profissional.

Nesse caso, em específico, estamos trabalhando com sentimento e significado. O foco de todo esse projeto é criar uma relação afetiva com o usuário. Apesar dos eventos virtuais não permitirem o toque na pele, há uma conexão muito mais intensa expressa pelo carinho e pelo cuidado implícitos no ambiente digital.

Já que você está ciente do backstage do trabalho, que tal conhecer um pouquinho das habilidades que esse profissional precisa ter? De modo geral, um designer de experiências deve:

  • Entender sobre o mercado;
  • Saber aplicar técnicas do design de experiência;
  • Aprender conceitos, técnicas e ferramentas para incrementar o processo;
  • Desenvolver metodologias auxiliares para criar experiências encantadoras e inovadoras – tanto para o mundo virtual quanto para o presencial;
  • Estruturar uma experiência significativa para criar um elo afetivo capaz de tornar memorável o evento.

Já se torna óbvio que não basta apenas gostar de trabalhar com pessoas ou criar histórias fantásticas. Para entrar nesse universo tão vasto, talvez seja necessário ter um dom específico, que é descoberto quando se coloca a mão na massa!

O conhecimento sobre processos criativos é essencial, mas o que vai diferenciar cada profissional da área é o conhecimento em outras ferramentas e metodologias que podem enriquecer a experiência em si, como, programação, motivação humana, gamificação, entre outros. Ter ciência sobre as relações humanas também é de fundamental importância, principalmente quando se está criando jornadas para público muito amplo e variado.

Será que você é o potinho de ouro que está faltando dentro desse mercado? Que tal arriscar para se descobrir cada vez mais? A vida é uma só, hein! Por isso, agarre aquilo que o seu coração tem curiosidade de conhecer. Nós garantimos: você não vai se arrepender.

Produção de Conteúdo:
PROTIVA COMUNICAÇÃO
Texto: Gabriella Collodetti
Revisão e Edição: Flávio Resende
Data: 28/01/2021

A Ekoá Jogos e Gamificação tem como propósito elevar a realidade das empresas colocando as pessoas no centro da experiência.

Criamos experiências que fundem o mundo físico e o digital de forma a promover o engajamento e atingimento de objetivos corporativos.

 

 

 

 

2021-02-02T14:38:24-03:00