A crise dos eventos presenciais e a oportunidade dos eventos on-line

Se você jogar a palavra “crise” no Google, vai encontrar, logo de cara, cerca de oito definições diferentes para o substantivo. Uma delas, referente à carência, se enquadra na conversa que teremos hoje, permeando entre os eventos presenciais e, claro, virtuais.

Quando a Covid-19 chegou ao nosso país, tivemos que readaptar a nossa vida – em aspectos pessoais e profissionais. Os eventos não ficaram isentos disso. Tudo que atuava presencialmente teve que se modelar de acordo com as orientações de distanciamento social, estabelecidas pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Grandes festivais, shows, feiras e convenções tiveram que cancelar as suas atividades e, assim, se viram em uma situação de desalento.

Sem a movimentação das pessoas nos grandes palcos montados para o recebimento do público, os eventos sucumbiram em vários aspectos, mas principalmente no que diz respeito à presença física do consumidor.

É inegável que, enquanto a pandemia durar e os protocolos de segurança forem rigorosos, os eventos presenciais continuarão prejudicados. Entretanto, a situação na qual estamos inseridos vai além de permanecermos ou não com o coronavírus em circulação.

Esta infecção viral foi um divisor de águas para o nosso segmento. Pudemos ver que os eventos são capazes de irem além do que a gente imaginava! É por essa razão que nós investimos no mundo virtual.

No ano passado, grandes espetáculos ficaram em segundo plano por não terem apostado no digital e, outras produções, antes, pequenas, ganharam destaque e saíram na frente por encontrarem o caminho da inovação dentro das tecnologias e do universo digital.

Com isso, os eventos virtuais ganharam força e mais investimentos, o que atraiu olhares de entusiastas e visionários, consolidando a sua posição e faturando uma boa fatia desse mercado.

Além disso, quase tudo que fazemos hoje pode ser realizado de forma digital. Sabendo disso, os eventos já estavam ali, flertando por um espaço no meio virtual antes mesmo da crise instaurada pela Covid-19. Claro que, dentro dessa história, a pandemia impulsionou a área, atraindo empresas de diversos campos de atuação.

Toda essa mudança do perfil de consumo trouxe desenvolvedoras de software, programadores web e os mais variados tipos de profissionais para investir nesse meio. Isso foi determinante para o desenvolvimento de tecnologias inovadoras capazes de compor um setor que, antigamente, engatinhava de forma tímida e temerosa.

Hoje em dia, os eventos online permitiram que o mercado alcançasse um público inacessível, no modo convencional. A abrangência e as possibilidades que o mundo digital permite é algo intangível, não sendo capaz de ser comparado com possíveis concorrentes presenciais.

Dificilmente o mercado digital enfrentará uma crise da magnitude que os presenciais estão enfrentando. No entanto, uma rede não é infalível. Há problemas que precisam ser cuidados de forma antecipada para não chegarem a ocorrer. Um ataque de hacker ou uma pane generalizada, por exemplo, podem ser evitadas, mas, para isso, é fundamental investir na segurança e no bom desempenho do que será oferecido para o público.

Fora isso, é só correr para o abraço!

Produção de Conteúdo:
PROTIVA COMUNICAÇÃO
Texto: Gabriella Collodetti
Revisão e Edição: Flávio Resende
Data: 28/01/2021

 

A Ekoá Jogos e Gamificação tem como propósito elevar a realidade das empresas colocando as pessoas no centro da experiência.

Criamos experiências que fundem o mundo físico e o digital de forma a promover o engajamento e atingimento de objetivos corporativos.

 

 

 

 

2021-02-08T18:28:52-03:00